• E-mail comercial@aleia.com.br
  • WhatsApp (21) 98753-8873

Cultura Organizacional e Processos Decisórios

Interessante nos darmos conta que cada vez mais, em nossos ambientes de negócios, somos demandados a tomar decisões cada vez mais rápido, com cada vez com menos informação disponível e em cenários com cada vez mais variáveis. Se pensarmos bem, acabamos a maioria de nossas decisões, também são fortemente influenciadas pela Cultura Organizacional onde estamos inseridos.

São vários os contextos em que precisamos escolher desafios que devemos enfrentar, ações que devemos ter. Estas decisões são tomadas em cenários onde nos deparamos com:
 

  • Incerteza, cada vez maior, devido a velocidade de mudanças e escassez de informações;
  • Complexidade, resultantes de fatores inter-dependentes, regulamentações e competitividade externa;
  • Volatilidade, ocasionada por um mercado cada vez mais disruptivo, alavancado por novas tecnologias;
  • Riscos, inerentes e consequentes de cada decisão;
  • Valores pessoais e influências de nossas crenças em nossas atitudes e comportamentos;
  • Estrutura Sistêmica organizacional e o modelo de tomada de decisão, crenças e valores organizacionais.
Se levarmos em conta que nossa vida pessoal e profissional, são resultados de uma grande série de pequenas e grandes decisões tomadas em sequência, sucedidas por ações e realizações; podemos concluir, que: todas nossas decisões são tomadas com base em uma mistura de informações, análise, experiência, conhecimento e julgamento, ou seja, que a nossa cultura ou a cultura coletiva influencia no processo decisório e suas consequências.

Entender como processo de tomada de decisão funciona em cada um de nós, é essencial para entendermos como nós mesmos e todos a nossa volta podem estar recebendo as nossas mensagens e como podemos melhorar a nossa capacidade de decidir com mais rapidez e assertividade.

O Processo de Tomada de Decisão é objeto de estudo de ensaísta Malcolm Gladwell, que após pesquisas no campo a cognição, descreve em seu livro, “Blink - A Decisão em um Piscar de Olhos”. Segundo sua tese, somos capazes tomar decisões rapidamente em determinadas situações, quando o nosso conhecimento em áreas específicas é tão grande, que num piscar de olhos somos capazes de fazer análises detalhadas sob diversos ângulos mesmo que sem consciência disso.

Sendo assim, quanto maior o nosso conhecimento em determinadas áreas, maior a nossa capacidade de fazer análises e maior a nossa capacidade de tomar decisões mais rapidamente e com maior assertividade.

Mas o uso de nosso raciocínio analítico e conhecimento prévio, não são os únicos fatores que fundamentam nossas decisões. Precisamos considerar que os valores individuais também influenciam no modo como analisamos, as situações. É o alinhamento dos nossos valores individuais, com nossas decisões e comportamentos que demonstram nossa a autenticidade.

No dia-a-dia organizacional, já se torna comum a prática de decisões compartilhadas, com a responsabilidade dividida entre várias pessoas. É neste cenário, que além dos valores individuais de cada integrante do time, para a influenciar também os valores coletivos. Quando existe alinhamento de valores individuais com valores coletivos o processo de decisão é mais ágil.

Dentre os aspectos positivos do em se promover processo de tomada de decisão compartilhada nas organizações, temos:
 
  • A capacidade de gerar informações e explorar visões, expectativas e necessidades de um público maior;
  • A participação de todos envolvidos incluindo a maior diversidade de pessoas;
  • Ampliação das possibilidades de cenários futuros, permitindo compreensão compartilhada e comprometida;
  • Maior descoberta e criatividade de soluções;
  • Alcance da coesão de ideias proporcionada por esse processo decisório coletivo, por contar com o modelo de raciocínio analítico de cada participante.
Vemos hoje, nas organizações, recém criadas, ou naquelas que já passaram pela transformação para se tornarem ágeis, que a cultura reflete o nível de consciência das equipes e líderes. E que estes, já não aceitam o modelo: “assim que as coisas são feitas por aqui” e deixando de considerar o modelo tradicional “resolução de problemas” para a aplicar a “identificação de potencial e oportunidades” em seus processos de tomada de decisão.

Para as organizações que pretendem alcançar o sucesso no mundo VUCA, e precisam agilidade em seus processos de tomada de decisão, pode ser interessante considerar uma mudança na cultura e na mentalidade organizacional e principalmente rever os modelos como seus líderes tomam decisões, seus valores coletivos e estruturas organizacionais.

Elizabeth Borges, PMP
Sócia - Diretora Aleia